Fim de ano: veja como garantir a segurança dos pequenos

Chegou uma das épocas mais gostosas do ano, com as celebrações de Natal e Ano Novo, sem contar as férias de verão. É um período especialmente marcante para as crianças, por toda a simbologia da data, a confraternização com as pessoas que gostamos, além dos momentos diversão com os amigos. E para aproveitar essa época com segurança, os cuidados com os pequenos começam já com os preparativos para o Natal.

“Decorar a casa e cuidar de cada detalhe para as celebrações de fim de ano é uma ocasião especial para as crianças e envolvê-las nesses preparativos é melhor ainda, porque reforçamos os laços entre adultos e crianças. Mas, é importante que a segurança dos pequenos venha em primeiro lugar, por isso algumas medidas são necessárias para garantir entornos seguros e protetores nessa época do ano”, destaca Erika Tonelli, coordenadora geral do Instituto Bem Cuidar (IBC), unidade meio da Aldeias Infantis SOS  para a gestão do conhecimento e responsável pela continuidade do legado da ONG Criança Segura.

De acordo com Erika, é preciso atenção especial com três preparativos de Natal: a montagem da árvore, a instalação do pisca e a escolha dos enfeites:

Montagem da árvore: procure instalar em um canto da casa de difícil acesso para os pequenos e longe de móveis que podem ser escalados pelas crianças para evitar quedas. E árvores muito grandes devem ficar bem fixadas em algum objeto com estabilidade para não cair em cima das crianças.

Instalação do pisca: de nenhuma forma utilize piscas com fios elétricos desencapados. Também não deixe eles espalhados pelo chão, não se esqueça quando sair de casa ou for dormir, de desligar todas as luzes, porque elas podem dar um curto e iniciar um incêndio.

Escolha dos enfeites:evite enfeites que possam quebrar ou que tenham peças removíveis pequenas. A atenção deve ser redobrada com festões e outros cordões usados na decoração, pois podem trazer o risco de estrangulamento, principalmente entre os menores.

Agora, quando o assunto é preparação para as férias, para que nenhum imprevisto atrapalhe a diversão, pais, responsáveis e cuidadores devem manter as medidas de segurança seja qual for a programação da família, bem como os protocolos sanitários de cada cidade (como o uso de máscara nos ambientes).“Nesse período, com as crianças e adolescentes mais dentro de casa, a primeira preocupação é o risco de aumento dos acidentes domésticos. Mas, a vigilância deve também acompanhar quem decidi viajar nesse período”, reforça a coordenadora geral do IBC.

Veja as cinco dicas do Instituto Bem Cuidar para prevenir acidentes durante as férias:

  1. Na casa de familiares ou no local de hospedagem, verifique as condições de segurança antes de permitir que as crianças brinquem livremente pelo ambiente e redobre a atenção com a garotada. Muitas vezes, esses lugares não estão preparados para a segurança dos pequenos. Essa dica também vale para quem for passar esse período em casa e, nesse caso, passe um pente fino nos cômodos para verificar se há algum produto ou objeto perigoso ao alcance dos pequenos. Caso encontre algo que represente um risco, guarde-o em local fora do alcance das crianças.
  2. Em hotéis e colônias de férias, procure saber se há monitores para cuidar das crianças e, caso haja alguma atividade que utilize equipamentos de segurança, informe-se sobre a validade dos equipamentos e verifique as condições de conservação.
  3. Os brinquedos devem passar por uma inspeção para checar se há partes soltas ou quebrada com pontas afiadas ou arestas. Caso encontre algum problema que possa causar algum tipo de acidente ou machucado, conserte imediatamente ou descarte.
  4. Atenção com as atividades ao ar livre: ao andar de patins, bicicleta ou skate, não se esqueça dos equipamentos de segurança: as crianças devem usar capacete, cotoveleiras e joelheiras, o que evita o risco de lesões graves. Se a atividade escolhida foi soltar pipas, ela só deve ser realizada em lugares abertos e longe da fiação elétrica. E, em relação aos parquinhos, os brinquedos não devem estar enferrujados, quebrados ou com superfícies perigosas.
  5. Em ambientes aquáticos, como piscina, praia ou rio, é fundamental que haja a supervisão constante e atenta de um adulto. As crianças devem usar colete salva-vidas, que é o equipamento mais seguro para evitar afogamentos. Boias e outros produtos infláveis podem estourar ou virar a qualquer momento. Quando há salva-vidas no local, siga sempre as recomendações desse profissional.

Erika também reforça a importância de adotar os protocolos sanitários do local de viagem, uma vez que a pandemia de COVID-19 ainda não acabou: utilize máscara para os maiores de 2 anos, mantenha o distanciamento social, evite aglomerações e higienize constantemente as mãos (se não puder lavar com água e sabão, use álcool em gel). 

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *